Especialista adverte pais sobre vídeo perigoso que circula no TikTok


Há um vídeo no TikTok de um homem transmitindo ao vivo seu suicídio.

 

Uma especialista em segurança cibernética alertou nesta terça-feira os pais pra impedirem que seus filhos usem o TikTok, pois um vídeo com cenas de suicídio está sendo compartilhado pela rede social, informou o site The Mirror.

Susan McLean postou um vídeo alertando que esse vídeo está escondido em conteúdo aparentemente inocente, como vídeos de gatos.

“Há um vídeo no TikTok de um homem transmitindo ao vivo seu suicídio. Certifique-se de não permitir que adolescentes mais velhos acessem o aplicativo hoje, se eles o tiverem”, disse Susan. Segundo ela, esse vídeo já vazou também para outras redes, como o Instagram, e  os pais devem ficar muito alertas.

De acordo com porta-voz do TikTok, na noite de domingo clipes de um suicídio transmitido ao vivo pelo Facebook circularam na plataforma e em outras redes, mas o sistema da rede tem detectado e bloqueado esse conteúdo.

Live debate impacto da Covid na comunicação


Uma Live vai debater o impacto da Covid na comunicação, reunindo a experiência de um jornalista egresso da USP e pioneiro da internet, um professor que também é um dos mais conhecidos locutores do FM sulbaiano e um doutor em semiótica que estuda a interação da comunicação com as várias facetas da vida.

A rádio Morena FM vai estrear no dia 20 de agosto, quinta-feira, às 19h, um projeto de Lives no site morenafm.com, com transmissão simultânea por seu canal no YouTube. A intenção não é tratar apenas de música e jornalismo, mas de temas que impactam a vida das pessoas.

O primeiro será Comunicação Pós Pandemia.

A live será coordenada pelo jornalista Marcel Leal, CEO da Morena FM e do Jornal A Região. Ele estará ao lado do professor Tuka Souza, do Curso de Comunicação da Unime Itabuna; e de Antônio Xavier, Doutor em Semiótica e professor de Comunicação Social da Uesc.

“Uma rádio tem compromisso com a comunidade em que atua, seja a local, seja a que ela alcança através da internet. Por isso queremos debater os assuntos que são caros para os ouvintes, explorar as causas e consequências das mudanças em nossa sociedade,” explica Marcel.

Egresso da USP, Marcel se considera “eterno estudante das comunicações” e escolheu como primeiro tema as mudanças que a pandemia – e seu consequente isolamento social – já causam e ainda causarão na vida de pessoas e empresas.

Afeta todo mundo

A live da Morena FM vai abordar essa revolução que o isolamento vem provocando na maneira de se comunicar, nas relações pessoais e culturais, no jornalismo, na comunicação empresarial e acadêmica.

“As Lives vieram para ficar ou são uma modinha que acaba no fim da pandemia? As aulas online serão abandonadas no fim do isolamento ou se tornarão parte integral dos cursos? Como isso vai afetar a Educação?”

Marcel aponta que quase nada continuará como antes da pandemia e, como toda revolução, esta precisa ser debatida, estudada e compreendida. “Tuka e Antônio têm uma cultura enorme e estão vivendo essa revolução na prática, no dia a dia, por isso espero um debate muito dinâmico”.

Tanto esta como as próximas lives serão transmitidas pelo site da emissora e seu canal no YouTube. Na lista para as outras estão o impacto da pandemia na cultura, como músicos brasileiros no exterior estão passando por esta fase, a transformação do comércio local e a censura na internet, entre outros.

Começa quarta-feira(19), o projeto Integra Uesc


A Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) realiza, de quarta (19) à sexta-feira (21), o projeto “Integra Uesc”. Os inscritos poderão participar, durante os três dias, de mais de 100 horas de atividades em formato de seminário, mesa redonda, palestra, entrevista, tutorial, aulas, apresentações musicais e terapêuticas, dentre outros, de forma virtual.

O evento, com o tema “Ciência, Tecnologia e Educação: Os desafios da Universidade Pública em um Mundo Transformado”, tem como foco a integração do ensino, da pesquisa e da extensão, incluindo a internacionalização e a inovação na Uesc. Sobretudo, integrar a comunidade acadêmica e proporcionar uma maior integração da Universidade com a sociedade em geral, principalmente nas cidades de sua área de abrangência.

A iniciativa virtual, coordenada pela Reitoria juntamente com todos os Departamentos, será executada por servidores, professores e técnicos, alunos da Uesc e convidados de outras instituições e está com inscrições abertas até esta terça-feira (18), através da página do evento.

Sobre o projeto Integra Uesc, o reitor Alessandro Fernandes de Santana explica “nós temos, hoje, uma área de atuação direta de 74 municípios, mas, se nós olharmos isso de uma forma indireta, a Universidade está presente em toda Bahia. Em nossos cursos de graduação e pós-graduação estão alunos dos mais diversos lugares, por isso essa integração é fundamental”.

Segundo o reitor, “o Integra será para simbolizar o que a Uesc quer fazer na nossa região. Eu tenho conversado com a Amurc, para que faça uma reunião conjunta com os prefeitos dos municípios da região e a Universidade, para oficializarmos a proposta, de que seja disponibilizada, em cada cidade, uma sala adequada para que, durante todo ano, os nossos professores, alunos e técnicos possam desenvolver atividades de extensão, de qualificação, de aperfeiçoamento e de pesquisa. Bem como estamos solicitando aos discentes que moram nessas localidades para que sejam o elo entre a Uesc e os municípios.”

“Então, o Integra tem o objetivo de integrar ensino, pesquisa, extensão, inovação e internacionalização; integrar, cada vez mais, os segmentos da nossa comunidade acadêmica – docentes, técnicos e discentes – e, principalmente, integrar ainda mais a nossa Universidade com a comunidade regional”, conclui o reitor da Uesc.

Google transforma smartphones Android em sensores de terremotos


Logotipo do Google é exibido dentro de um prédio de escritórios em Zurique, Suíça.

 

Os smartphones Android do Google, de propriedade da Alphabet, começaram nesta terça-feira (11) a detectar terremotos em todo o mundo para fornecer dados que poderiam dar a bilhões de usuários preciosos avisos de um tremor próximo, com o recurso de alerta sendo lançado inicialmente na Califórnia.

Se a abordagem do Google para detecção e alerta de terremotos for eficaz, os avisos chegarão a mais pessoas, incluindo pela primeira vez a Indonésia e outros países em desenvolvimento com poucos sensores de detecção tradicionais.

Especialistas em sismologia consultados pelo Google disseram que transformar smartphones em minissismógrafos marcou um grande avanço, apesar dos inevitáveis alertas errados de um trabalho em andamento e da dependência de algoritmos de uma empresa privada para segurança pública. Mais de 2,5 bilhões de dispositivos, incluindo alguns tablets, rodam o sistema operacional Android, do Google.

“Estamos no caminho certo para enviar alertas de terremotos onde quer que haja smartphones“, disse Richard Allen, diretor do laboratório sismológico da Universidade da Califórnia em Berkeley.

O programa do Google surgiu há mais de quatro anos, de um teste para verificar se os acelerômetros de telefones podiam detectar acidentes de carro, terremotos e tornados, disse o engenheiro de software principal Marc Stogaitis.

Atualmente, os telefones Android podem diferenciar terremotos de vibrações causadas por trovões ou uma queda do dispositivo apenas quando eles estão carregando, parados e têm permissão do usuário para compartilhar dados com o Google.

Se os smartphones detectarem um terremoto, eles enviam a localização da cidade ao Google, que pode triangular o epicentro e estimar a magnitude com algumas centenas de registros, disse Stogaitis.

O Google espera enviar seus primeiros alertas com base nas leituras dos telefones no próximo ano. Também planeja fornecer alertas gratuitamente para empresas que desejam desligar elevadores, linhas de gás e outros sistemas automaticamente antes que o tremor ocorra.

Os alertas serão enviados para terremotos de magnitude 4,5 ou superior, e nenhum download de aplicativo é necessário.

Pesquisadores desenvolvem respiradores pulmonares de baixo custo no nosso país


Cinco pesquisadores voluntários se uniram para dar origem ao projeto conhecido como Respiral 2.0, um protótipo de respirador mecânico que busca ser uma alternativa em caso da falta de respiradores no país, devido ao número de casos de pessoas infectadas pelo coronavírus. Um dos pesquisadores é ex aluno do curso de engenharia da computação da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), que também ocupa o cargo de primeiro sargento do Exército Brasileiro, Rodrigo Santos. Ele explica que a ideia para criar o projeto surgiu após o pronunciamento do Ministério da Saúde solicitando que a comunidade científica elaborasse algum equipamento para suprir uma possível falta dos respiradores.

Quando comparado ao valor de um respirador convencional, o Respiral 2.0 se encontra em uma linha bem mais acessível, o protótipo teve custo de aproximadamente R$6,500,00 de insumos contra R$60 mil do outro tipo. A equipe afirma que pretendem doar a pesquisa para Forças Armadas e fábricas de produtos hospitalares para dar suporte a hospitais públicos e militares ao longo da pandemia.

“Nosso protótipo funciona através do acionamento pneumático e válvulas solenoides para gerar ventilação aos pulmões mecanicamente. Além disso, ele possui sensores de fluxo de ar, de pressão e de volume, através de uma tela sensível ao toque que possibilita ao profissional de saúde, responsável pelo paciente, configurar parâmetros segundo as necessidades”, detalhou Rodrigo. O principal diferencial, conforme os pesquisadores, é o baixo custo somado à eficácia do produto. “Nosso grupo realizou uma pesquisa apurada até conseguirmos chegar em um protótipo capaz de suprir as necessidades que um respirador pulmonar precisar ter”.

O respirador já foi testado em laboratório e, a partir de agora, só precisa ser testado pelas fábricas que tiverem interesse em produzir o protótipo em larga escala. “Através desse protótipo a sociedade poderá ter um equipamento mais acessível, fator que é de vital importância, primeiro por refletir um custo mais baixo no produto final e segundo por nos dar mais autonomia”, ressaltou a equipe.

Prefeito se reúne com executivos da Band para tratar sobre transmissão do sinal digital em Ilhéus


O prefeito Mário Alexandre se reuniu na tarde de terça-feira (14) com representantes da TV Band para discutir a transmissão do sinal digital na cidade. De acordo com o gestor, a presença da emissora vai melhorar a recepção das informações referentes às ações executadas em prol da comunidade ilheense.

“A chegada da Band reflete um grande avanço para a cidade. Trouxemos o sinal digital e daqui a emissora vai fazer toda a transmissão para o sul e extremo sul da Bahia. Um jornalismo sério, que vai levar à população as principais notícias, que incluem infraestrutura, mobilidade urbana, saúde e as ações realizadas na guerra contra o coronavírus. É fundamental essa relação de credibilidade e proximidade com um canal que vai apresentar a nossa história, as nossas belezas e a nossa cultura. Isso é fruto de muito trabalho”, ressaltou o prefeito.

Edmilson Vaz, diretor comercial da TV Band e da Rádio Band News, destacou a importância de a população ter acesso ao conteúdo local. Segundo informou, Ilhéus será a base para o crescimento da emissora na região Sul. “Hoje viemos prestar contas a quem nos acolheu. E quem nos acolheu foi a gestão municipal, na pessoa do prefeito Mário. Ilhéus vai ser a cabeça de rede para o sul e extremo sul do estado. Estamos agradecidos pela atenção e objetividade no acolhimento da nossa solicitação”.

Vaz frisou que o sinal foi iniciado no final de março, com testes no canal 6.1. Conforme o planejamento apresentado, a TV Band vai inaugurar no próximo dia 11 de agosto escritório fixo na cidade. A transmissão da grade que inclui programação com destaque para Ilhéus também será feita para o restante do estado e para a cidade de Aracaju, em Sergipe. A estimativa é que os conteúdos alcancem 12 milhões de pessoas. O sinal da emissora já é transmitido em Salvador e Feira de Santana.

WhatsApp fica fora do ar e usuários reclamam de instabilidade


 

O aplicativo de mensagens WhatsApp ficou fora ar na tarde desta terça-feira (14). No início usuários relataram problemas com a versão Web da ferramenta, mas o problema logo se estendeu para o aplicativo de celular.

Os problemas começaram a ser relatados na plataforma Down Detector às 16h30 e, até as 17h15 as reclamações já ultrapassavam o número de 30 mil ao redor do mundo.

Por volta das 17h30 o serviço voltou a se normalizar, com o número de reclamações diminuindo tanto nas redes sociais quanto em agregadores especializados.

Transmissão de TV “IPTV” pela Internet tem seus riscos


O valor dos planos é atraente. Porém, os riscos que eles apresentam podem acabar saindo mais altos do que o imaginado. É com preocupação que especialistas observam o crescimento de serviços ilegais de transmissão de canais de televisão pela Internet, as chamadas IPTVs. Além de estar usando um produto pirata, o consumidor não tem garantias de atendimento, pode prejudicar outros aparelhos que existem em sua casa e reduzir a qualidade do serviço prestado pelo provedor de rede, sem contar as possíveis acusações de crimes.

O que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) destaca é que nem todas as IPTVs são ilegais. Na maior parte dos casos, a ilegitimidade ocorre quando uma pessoa assina legalmente um pacote de canais e retransmite pela Internet a inúmeros outros usuários, sem a devida posse de direitos autorais. Neste processo, acaba cobrando pelo serviço um valor que pode chegar a custar apenas 10% do que seria o normal. Para dificultar a fiscalização, os servidores responsáveis pelo envio desses dados são hospedados no exterior. “O que as pessoas precisam entender é que há um outro lado nessa equação, que muitas vezes não aparece”, frisa o diretor da Sinosnet, Henrique Pufal.

A transmissão pode ocorrer, sobretudo, de duas maneiras: por meio de aplicativos em smartphones ou com o uso de equipamentos semelhantes às caixinhas de TV a cabo – as chamadas set-top boxes. Neste último caso, há mais complicadores. “Geralmente, esses aparelhos decodificadores são importados de países como o Paraguai e não possuem o selo de homologação da Anatel. Então, no caso de qualquer problema, a pessoa não tem para quem reclamar”, diz.

Fonte: jornalnh.com.br

No Dia Mundial do Vento, Bahia firma liderança com 31% da energia eólica gerada no país


Parque Eólico de Guanambi. Foto de Paula Fróes GOVBA.

Quando os ventos sopram forte, mais que ventania, geram energia acima da média. E, na Bahia, mantém o estado na liderança do segmento de energias renováveis do país. Foi o que ocorreu no município de Morro do Chapéu, quando o fator de capacidade de geração de energia do complexo eólico Ventos de Santo Abraão, da Enel Green Power, foi de 52,1%, em abril, maior registrado no período. A energia gerada por fonte eólica na Bahia, no primeiro quadrimestre do ano, representa 31% em relação ao restante do país, o que consagra a liderança nacional. Nesta segunda-feira (15), Dia Mundial do Vento, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE) divulga dados atualizados do setor, no Informe Executivo mensal de Energias Renováveis.

“A Bahia tem 170 parques eólicos em operação, mais de 1,3 mil aerogeradores, que o povo no interior chama carinhosamente de ‘catavento’, e uma capacidade instalada de 4,1 Gigawatts (GW). Os R$ 16,7 bilhões investidos por essa centena de empreendimentos beneficiaram 20 municípios baianos. Ou seja, os números do Estado no segmento de energias renováveis são extremamente significativos e motivo, não só de muito orgulho para nós que estamos na linha de frente da atração de investimentos, mas de esperança para a economia no pós-pandemia”, destaca o vice-governador João Leão, secretário titular da SDE.

A expectativa narrada por Leão se baseia nos 53,5 mil empregos previstos para ser gerados pelos 38 novos parques em construção e nos 86 que estão em fase de iniciar a construção. Juntos, esses novos complexos devem injetar R$ 13,1 bilhões em investimentos no território baiano.

Outra curiosidade do setor eólico na Bahia é que a energia gerada nos 170 parques ativos tem capacidade de abastecer cerca de 8,3 milhões de residências e beneficiar aproximadamente 25 milhões de habitantes – quase o dobro da população baiana que é de 14,8 milhões, segundo o IBGE. Isto ocorre porque a energia gerada pelos ventos no estado é distribuída para todo o país, pelo operador nacional do sistema elétrico.

Energia Solar

No Dia do Vento, há números para ser comemorados também no setor solar fotovoltaico da Bahia. O estado possui 29 parques em operação, em sete municípios, com 777 Megawatts (MW)de capacidade instalada e 3 milhões de

módulos fotovoltaicos. A energia solar gerada no sertão baiano é capaz de abastecer cerca de 1,1 milhão de residências e beneficiar 3,5 milhões de habitantes. O segmento se prepara para crescer com os 23 parques prestes a iniciar a construção, que devem investir R$ 4 bilhões e podem gerar mais de 12 mil empregos.

Facebook e Cielo anunciam parceria para pagamentos via WhatsApp


A Cielo e o Facebook anunciaram nesta segunda-feira, 15, uma parceria para viabilizar transações de pagamento por WhatsApp no país. Em comunicado ao mercado, a empresa informa que a versão mais recente do aplicativo apresentará gradativamente a opção “pagamentos” no menu, permitindo a realização de pagamentos e o acompanhamento do histórico de transações.

Segundo o Cielo, o interessado em realizar pagamentos para outras pessoas ou para empresas precisará cadastrar e validar seu cartão de débito ou múltiplo no WhatsApp.

Já os comerciantes interessados em realizar vendas precisarão se credenciar à Cielo por meio da plataforma do WhatsApp.

O pagamento de pessoa para pessoa funcionará na modalidade débito, enquanto que o pagamento de pessoa para empresas ou empreendedores funcionará nas modalidades débito e crédito.

Nas transações de débito, o comerciante receberá o valor da venda em um dia e nas transações de crédito em dois dias.